02/12/2019 - 01h22

Crédito imobiliário com recursos da poupança cresce 34% no ano até outubro, diz Abecip

Fonte: G1
 
Em outubro, volume atingiu R$ 7,53 bilhões, com avanço de 33% comparado ao mesmo período do ano anterior e queda de 0,08% sobre o mês anterior.
 
Os financiamentos imobiliários com recursos das cadernetas do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) alcançaram R$ 62,3 bilhões no acumulado no ano até outubro, segundo divulgou na última quarta-feira (27) a Associação Brasileira de Entidades de Crédito Imobiliário (Abecip). O valor representa uma alta de 34% em relação aos 10 primeiros meses do ano passado.
 
Somente em outubro, o crédito imobiliário atingiu R$ 7,53 bilhões, segundo maior resultado mensal desde maio de 2015. O valor representa um crescimento de 33% comparado ao mesmo período do ano anterior e queda de 0,08% sobre o mês anterior.
 
Foram financiados, nas modalidades de aquisição e construção, 29,7 mil imóveis em outubro, 9,1% mais do que em setembro e 28,6% acima do registrado em outubro de 2018.

 
Entre janeiro e outubro de 2019, o número de imóveis financiados por essas linhas chega a 237,4 mil imóveis, alta de 28,2% em relação a igual período de 2018.
 
A Caixa liderou o mercado em outubro e é a primeira colocada também nos 10 primeiros meses do ano, acumulando R$ 19,7 bilhões em operações. O Bradesco aparece em segundo lugar, com R$ 14,8 bilhões, seguido pelo Itaú Unibanco, com R$ 13 bilhões.
 
 
O mercado imobiliário tem mostrado sinais de recuperação, favorecido pela queda das taxa de juros e redução e maior oferta de crédito.
 
Dados da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) mostram que os lançamentos de imóveis residenciais no país cresceram 4,1% no 3º trimestre, na comparação com os 3 meses anteriores e 23,9% ante o mesmo período do ano passado. Já as vendas apresentaram uma alta de 15,4% na comparação anual. Frente ao 2º trimestre, porém, houve queda de 4,9%.
 
Os indicadores de atividade e de emprego na indústria da construção brasileira também alcançaram em outubro o maior nível dos últimos sete anos, segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI).
 
« Voltar