12/05/2022 - 10h56

Corte de tarifa do aço terá impacto na inflação, diz governo

Poder 360
 
Redução gerou embate entre construtoras e siderúrgicas, mas o Executivo fala que decisão foi técnica
 
Apesar do embate entre construtoras e siderúrgicas, o governo decidiu reduzir a tarifa de importação dos vergalhões de aço até o fim do ano. Ao anunciar o corte, o Executivo disse que esta foi uma decisão técnica, que terá efeito na inflação.
 
“Esse é um pleito que já vinha sendo analisado tecnicamente no Ministério há pelo menos 8 meses”, afirmou a secretária-executiva da Câmara de Comércio Exterior (Camex), Ana Paula Repezza, nesta 4ª feira (11.mai.2022).
 
Ela disse ainda que a redução da tarifa de importação do aço “certamente terá um impacto na inflação, não um impacto tão direto quanto os alimentos, mas um impacto por meio da construção civil”. E seguiu: “A intenção é gerar maior concorrência para a redução de preços, para que possa impactar positivamente o setor da construção civil”.
 
O corte da tarifa de importação do aço foi solicitado pelo setor da construção civil. A CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção) diz que o aço é o insumo que mais tem impactado os preços das obras. Por isso, quer importá-lo da Turquia para tentar baixar os preços do produto.
 
Já o Instituto Aço Brasil fala que os vergalhões de aço brasileiros subiram menos que o de outros países e que são competitivos. O instituto foi ao ministro Paulo Guedes (Economia) na 3ª feira (10.mai.2022) tentar reverter a redução do imposto de importação dos vergalhões.
 
Apesar do apelo do instituto, o Gecex (Comitê-Executivo de Gestão da Câmara de Comércio Exterior) decidiu nesta 4ª feira (11.mai) cortar a alíquota do imposto de importação de 2 tipos de vergalhões de aço de 10,8% para 4%.
 
O governo também cortou o imposto de 2 insumos agrícolas e 7 alimentos, para tentar conter a inflação. A redução entra em vigor na 5ª feira (12.mai) e vale até o fim do ano.
 
“DECISÃO TÉCNICA”
 
Ana Paula Repezza disse que o governo recebeu o pleito da construção civil no início do 2º semestre de 2021. Falou ainda que esse não é um caso isolado, porque todos os setores da economia brasileira apresentam “centenas de outros” pleitos à Camex mensalmente.
 
A secretária disse ainda que o governo teve diversas reuniões com a CBIC e com o Instituto Aço Brasil nos últimos meses e recebeu “informações técnicas relevantes” dos setores antes de tomar uma decisão. Segundo ela, 4% é a média internacional da tarifa de importação do aço.
 
Segundo a secretária, a Camex não tem outros pedidos relativos ao aço no momento. Por isso, não está estudando a redução da tarifa de importação de outros produtos de aço, como os laminados.
 
O governo negocia, contudo, um novo corte de 10% da TEC (Tarifa Externa Comum) do Mercosul. A redução atingiria todos os tipos de aço, se aprovada.
 
INSTITUTO AÇO BRASIL CRITICA
 
Em nota, o Instituto Aço Brasil voltou a criticar o corte da tarifa de importação do aço. “A medida, no entendimento do Aço Brasil, é inadequada uma vez que o mercado se encontra plenamente abastecido, não existe especulação de preços e o impacto inflacionário do vergalhão é de apenas 0,03 ponto percentual no IPCA. Não existe, portanto, qualquer excepcionalidade que justifique a medida”, afirmou.
 
“É inadequada ainda, porque está na contramão da política adotada pelos principais países produtores de aço, que face ao gigantesco excesso de capacidade instalada no mundo, da ordem de 518 milhões de toneladas, tem adotado medidas de restrição à importação predatória. O Brasil, ao contrário, ao reduzir o imposto de importação facilitará ainda mais o desvio de comércio para o País.”, disse o Instituto.
 
Eis a íntegra da nota divulgada pelo Instituto Aço Brasil nesta 4ª feira (11.mai.2022) às 18h30:
 
“Decisão do GECEX, em reunião realizada hoje, reduziu o imposto de importação de vergalhões CA50 E CA60 de 10,8% para para 4%, até dezembro desse ano.
 
“A medida, no entendimento do Aço Brasil, é inadequada uma vez que o mercado se encontra plenamente abastecido, não existe especulação de preços e o impacto inflacionário do vergalhão é de apenas 0,03 ponto percentual no IPCA. Não existe, portanto, qualquer excepcionalidade que justifique a medida.
 
“É inadequada ainda, porque está na contramão da política adotada pelos principais países produtores de aço, que face ao gigantesco excesso de capacidade instalada no mundo, da ordem de 518 milhões de toneladas, tem adotado medidas de restrição à importação predatória. O Brasil, ao contrário, ao reduzir o imposto de importação facilitará ainda mais o desvio de comércio para o País.
 
“O mercado, soberano, responderá pelo impacto da medida.”
 
“GANHA O PAÍS”, DIZ CBIC
 
A CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), por outro lado, disse que a “medida é extremamente significativa para reduzir o impacto do aumento expressivo do custo da construção”. “Hoje a construção civil está inibindo investimentos futuros pela perda da capacidade de compra das famílias. Mas medidas como essa ajudam a regular o mercado”, afirmou.
 
Eis a íntegra da nota divulgada pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção nesta 4ª feira (11.mai.2022) às 17h45:
 
“A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) aplaude a decisão do Comitê-Executivo de Gestão da Câmara de Comércio Exterior (Gecex/Camex), que reduziu para 4% a tarifa de importação dos vergalhões. Tal medida é extremamente significativa para reduzir o impacto do aumento expressivo do custo da construção.
 
“Hoje a construção civil está inibindo investimentos futuros pela perda da capacidade de compra das famílias. Mas medidas como essa ajudam a regular o mercado.
 
“Ganha o país!”
 
« Voltar